segunda-feira, 31 de agosto de 2015

E atras dos contos de fadas... tem..

Procuro, sempre que detecto que Malu entrou em contato com algum mito dos contos de fada, resinificar seu conteúdo, usando outro termo, reciclo a história, apresento outro caminho. Adorei quando Angeline Jolie apareceu poderosa como Malévola, e nos ofereceu um filme questionador sobre a posição da fada dita má na vida da Bela Adormecida, ali ela se torna a protetora e a maldição nada mais era que a dor de uma mulher traída e arruinada procurando reparar a sua dor, mostra outras possibilidades de amor verdadeiro, questiona a posição do príncipe encantado. Outro conto que por assim dizer me tira o sono, rsrsrs, é Cinderela são tantos pontos desses arquétipo, a submissão feminina, o aceitar a dor sem reclamar, a competição feminina elevada a oitava potência, a história de que só mulheres lindas, doces e com cintura de vespa são capazes de se casar com o príncipe, toda madrasta é má, mulheres gordas e fora do padrão de Afrodite não podem casar com um príncipe e sempre invejarão  a irmã mais bela. Parece um conto inocente, mas quando o examinamos com lupa vemos o quão perigoso é. Fora a ideia de que sempre um herói irá salvar a mocinha, incapaz de resolver seu problema. Vemos esse mito se repetir por inúmeros contos da nossa humanidade. E assim o mito do herói inunda o inconsciente coletivo, nos aprisiona num desejo de sempre esperar que alguém nos salve, que alguém nos liberte, que alguém nos traga felicidade, que alguém cure nosso coração. Procuro desenvolver em mim uma consciência de que eu sou mestre de mim mesma e que sou capaz e também responsável pela minha felicidade. Procuro diariamente passar esses valores a minha pequena. Assim foco em livros que tragam outros valores. Hoje indico o livro As Tranças de Bintou. Relata a história de uma garotinha que mora em uma aldeia na África, seu sonho é poder deixar de usar birotes e passar a usar tranças, porém só meninas crescidas ganham traças em sua tribo. Pois bem, Bintou quebra padrões, corajosa consegue salvar pessoas da morte e ganha direito as tranças. Ela mostra-se ser herói de si mesma. Além de trabalhar a diversidade, oferecer histórias de outras cultura, mostra que meninas podem e devem enfrentar seus medos e ir atrás de seus sonhos, história sem príncipe encantado, mas com uma menina de alma de guerreiro.   

Título: As Tranças de Bintou
Autor: Sylviane A. Diouf
Ilustração: Shane W. Evans
Tradução: Charles Cosac
Editora: Cosac Naify
Ah encontrei o livro por 19.9 no site Submarino.

Na curva do sono
Sonho
Camaleões, paca, tatu, elefante
Borboleta, festa, fada, marmelada
Na curva do sono
Sonho
Jabuti, pirulito, lua encantada
Besouro, pipa, bola, boneca
Na curva do sonho
Cresço
Risadas, palavras, números
Desenho, dança, mágica...(Ana Paula Mira)





                      

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Os medos e nossa literatura infantil!

“Eu queria ter uma varinha de condão”. Atire a primeira pedra o pai ou mãe que nunca pensou isso quando vê seu filho apresentar medos, pode ser medo do escuro, medo de falar em público, medo de começar em uma escola nova, medo em conhecer pessoas ou medo de altura, quando ele aparece temos vontade de proteger de passar toda a energia, mas nem sempre isso é possível. Olha que hoje são bem maiores as informações sobre não incutir nas crianças aqueles controles antigos que usava como medo de doido, medo de idoso, medo do homem do saco. Mas esses medos também estão na gente e superá-los é um trabalho que chamo de formiga, constante e determinado. A criança ainda enfrenta o sentimento de insegurança diario de nossa sociedade, mesmo que não tenha tanto contato com noticiários e TV, as notícias de violência, riscos chegam aos ouvidos e falta de espaço em áreas na cidade grande, diminui a oportunidade de brincadeiras espontâneas que ajudam a enfrentar o medo, brincadeiras essas que tínhamos tanto na nossa infância. Fora os vários contos clássicos, recheados de pavor que chegam aos seus ouvidos. Essa semana chegou as minhas mãos um livro bem divertido e que dá uma ajuda pra falar do assunto que é Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque de Holanda que transforma entre rimas e versos o Lobo em um Bolo Bobo que vai ser comido pela menina. Fala bem de todos esses medos e do enfrentamento deles. A ilustração é de Ziraldo, medo  transformado em alegria, muito bacanaInicialmente a menina está assustada e amedrontada com tudo, nem mesmo quer mais brincar, cabeça baixa, mãos baixas, como nossa criança contemporânea. Quando ela vai resgatando seu poder interior, o lobo vai perdendo poder e sentido, a menina se fortalece e não enxerga mais esse lobo. Assim quebra a história de Chapeuzinho vermelho, aquela que não conseguia enfrentar os medos sozinhas, aquela totalmente dominada pelo lobo que chega a ser engolida, aquela que dependia de um heroi, um ser externo para se salvar.

O lobo ficou chateado.
Ele gritou: sou um LOBO!
Mas a Chapeuzinho, nada. 

E ele gritou: EU SOU UM LOBO!!!
E a Chapeuzinho deu risada.
E ele berrou: EU SOU UM LOBO!!!!!!!!!!
Chapeuzinho, já meio enjoada,
com vontade de brincar de outra coisa.
Ele então gritou bem forte aquele seu nome de LOBO
umas vinte e cinco vezes,
que era pro medo ir voltando e a menininha saber
com quem não estava falando:
LO BO LO BO LO BO LO BO LO BO LO BO LO BO LO BO LO BO LO BO LO

Chapeuzinho Amarelo
Autor:
 Chico Buarque de Holanda
Ilustrador: Ziraldo
Assunto: Infanto-Juvenil — Literatura Infantil
Editora: José Olympio
Preço: De R$ 9.40 a 29.90

Desde que foi publicado em 1979 já teve treze edições, livro que marca a nossa literatura infantil.

"A mente que se abre a uma nova idéia jamais voltará ao seu tamanho original."

Albert Einstein

segunda-feira, 17 de agosto de 2015

"O essencial é invisível aos olhos."

Quando nos é imposto o silêncio através de algo como uma gripe, começamos a perceber quanto energia perdida com a palavra oral. Nem sempre pela fala realmente fazemos a melhor comunicação, pois preocupados em falar, nem sempre se abre espaço para escutar. Agora passo por uma gripe que me deixou afônica muitos e muitos dias, falar tem sido um sacrifício, mas o silêncio um presente. Me deixou inclusive mais melancólica e lembrei do livro que li na casa de minha vozinha Eulina quando tinha treze anos. "O Pequeno Príncipe" de Antoine de Saint-Exupery "Eis o meu segredo: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos. Os homens esqueceram essa verdade, mas tu não a deves esquecer..." lindo, delicado, um tanto complexo podemos pensar para pequenos. Durante este processo o ganhei novamente, um pequeno livro de bolso da editora Caminho Suave. Presentei a Malu também com ele, comecei a mostrar os desenhos pra ela do piloto, os primeiros do livro que ele relata ter feito os seis anos, mesma idade dela. Para minha surpresa ela disse: aqui é uma jiboia. Perguntei novamente: E o que tem dentro dela? Malu respondeu: acho que os pés de um elefante. Depois mostrei o desenho com o elefante dentro. Ela respondeu: a jiboia conseguiu engolir o elefante inteiro. Assim, sem palavras em excesso, sem direcionamento. Crianças veem com o coração, sua imaginação é livre. Quando grandes passamos a ver cada vez menos com o coração e mais com os olhos.



Lembrei agora da estreia do filme que estreará dia 20 de agosto, quero ir assistir, quero levar Malu pra ver essa nova leitura. Há tempos atras passava um filme na Discovery, Malu tinha muito medo, a serpente colocada sempre  como causando somente o Mal. Pra mim ela permite a passagem do pequeno ao seu planeta, mantém o caminho natural da vida, ela, a serpente cumpre com seu papel designando a sua natureza. 
Minha pequena também trouxe um presente da biblioteca de sua escola, um livro não tão antigo quanto "O Pequeno Príncipe", mas que traz uma linda declaração de amor, um bálsamo ao meu coração. o livro chama-se "Advinha Quanto Eu Te Amo" de Sam MacBratney e ilustrações de Anita Jeram, já o tínhamos lido antes e confesso que resisti um pouco, achava que o coelho pai e o coelho filho competiam pra falar sobre o tamanho do amor. Porém minha pequena na ocasião disse não mamãe eles estão provando que se amam muito. Bem, novamente as crianças vêm com o coração, sem todos os filtros sociais, culturais e familiares que nós adultos temos em nossas mentes. Assim, relendo o pequeno príncipe pude perceber sua declaração de amor em trazer esse livro.



O livro de bolso do Pequeno Príncipe pode ser encontrado por 9.90, a indicação é juvenil, mas não custa apresentar aos pequenos. E o livro Advinha Quanto Eu Te Amo indicação  a partir dos 04 anos, custa entre 25,90 a 35,90 reais.

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Noite de autógrafos e a descoberta da poesia II

Quem viu a postagem semana anterior sabe que eu consegui realizar, com meus amigos, um Sarau. O resultado foi bacana pra Malu. Falei também que não houve pressão sobre as crianças e que estas ficaram a vontade em seus movimentos e brincadeiras. Bem, esta semana teve noite de autógrafos com autor de literatura infantil na escola de minha filha, ela e os coleguinhas  excitadíssimos, conversas ao telefone, preparação, o tempo todo falando qual livro iriam escolher. Muito bacana a iniciativa da escola, incentivos festivos, certamente deixará a marca de que ganhar um livro traz sempre alegria! Mil avisos por parte da pequena sobre o grande dia! Na quinta passada, fez questão de ficar desde o fim da aula, o evento começaria as 19 horas. Acertadamente o autor Caio Riter, super acessível e carinhoso, já estava a postos, quando chegamos eu e Yuri, às 18 horas. O livro escolhido por Malu foi "Tantos Barulhos", ilustrado por Martina Schreiner da editora Edelbra, ela disse "Quero esse mamãe, ele é cheio de historinhas", mostrei outros, mas ela já estava resolvida. Tinha sido apresentado a poesia O atchim do Pinguim, conteúdo do livro. E ela ficou encantada. Depois de um Sarau, somente podia ser um livro recheado de poema. Cada poesia vem acompanhado de uma bela ilustração,  e muitos barulhos, o autor através de onomatopéias, palavras que expressam sons, exemplos: Vrum, pom, miau, traz uma linda sonoridade aos vários sonetos. O autor brinca com o universo infantil: as brincadeiras, brinquedos, animais e objetos. Estimula o amor à natureza, à ecologia e à percepção do ambiente.






 Claro que fotografamos o grande evento e o momento do autógrafo

Sobre o autor descobri que Caio Riter é também professor, tem livros inclusive voltado para o público adulto sobre o incentivo a leitura.A FORMAÇÃO DO LEITOR LITERÁRIO EM CASA E NA ESCOLA ,este está na minha lista, aqui ele traz sua própria experiencia familiar de formação em leitor, assim como sua aprendizagem como docente, apontando caminhos pra professores e pais. Doutor em Literatura Brasileira tem uma serie de livros voltados à literatura infantil, segue abaixo seu site.



Foi maravilhoso chegar em casa e ver nossa pequena nem esperar, os pais, deitada em sua cama procurava ler seu poema favorito. Muita gratidão a escola, a Caio Riter e a minha família por ter me estimulado com suas contações de histórias. Ah, o evento foi uma parceria com a livraria LDM, adquirimos o livro por 39 reais.

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Sarau e o incentivo a poesia!

A poesia sempre me encantou, fui apresentada a ela por meu pai que costumava brincar com as palavras e fazer repentes nos incentivando com esses jogos. Nas noites quentes de Jequié, sentávamos na porta de casa e ficávamos horas brincando disso. Depois vieram os livros, os autores. Hoje faço o mesmo com minha filha, brinco com rimas, fazemos poesia, construímos jogos com as palavras. Depois que fui ao Sarau de Mariana, fiquei com a ideia na cabeça de realizar um. E o fiz com a ajuda de meus amigos aqui em casa mesmo, semana passada. Cada um foi chegando com carinho, poesia e desprendimento. Muitos trouxeram poesias próprias, uma linda surpresa, isso incentivou-me a ler as minhas. Mas no meio de Vinicius de Moraes, Castro Alves, Wally Salomão e entre outros autores, surgiu da mãos de minha Amiga Cláudia o Livro de poesias haicais Hai-Quintal de Maria Valéria Resende que sua filhinha Amanda tinha trazido da biblioteca da escola, esse tipo de poesia é maravilhoso para os pequenos, o poema é formado por três versos que fecham um sentido em si mesmo, aqui um trecho pra vocês entenderem melhor " Dormi na varanda: serenou, acordei de banho tomado" e outro " Descalça na terra, o planeta me faz cócegas na planta dos pés", um encanto, e assim, segue o livro que é uma viagem sensorial e visual de uma menina sobre o seu quintal. Uma boa forma de incentivar e resgatar a poesia. Leitura linda tanto pra crianças como para adultos. As ilustrações são de Myrna Maracajá, a editora Autêntica. Encontrei entre 24,90 e 34.90 na internet. Indicação: 05 a 08 anos.


Ainda com a energia forte e a felicidade com o resultado do Sarau encontrei outros dois livros, um deles é o Voo de Vadinho de Alvaro Faleiro e Fernando Vilela  que narra a vida de um vaga-lume e suas descobertas em seu mundo, um Jardim, onde encontra seres como largatas, baratas e outros animais, nos versos usa as dificuldades e facilidades na vida de casa inseto fazendo uma alusão a propria vida, os sentimentos, o que enfrentamos e o derradeiro fim de cada um. Ah histórias inusitadas, arrancam boas risadas. Como exemplo este: " Totonho o piolho achava que vivia tranquilo, Saltando o dia todo na cabeça de um menino. mas o menino ficou pensando: " Vou me livrar desse estranho que vive me incomodando"... O menino pensou tanto que ferveu seu miolo... Diz a lendea que no meio do incêndio o danado do Totonho acabou pegando fogo, saindo meio apressado pulando feito um doido."  A editora é pequena Zahar. Indicação de idade: 06 a 08 anos. Média de preço 44 reais.





Deslumbrante o livro O Jardim com poesia de Carlos Drummond de Andrade tem ilustração do alemão ATAK, poesia e cores fortes se misturam e é um brinde aos nossos olhos, livro pra mim sem idade. Remete ao modernismo, movimento do qual fez parte nosso poeta. Traz versos como " Nessa boca da noite, cheira o tempo a alecrim". Outra viagem pelo jardim, pelo simples, pela natureza. Acredito que me encantei com esses livros por me remeter a minha própria infância, aos quintais e jardins, entre Jequié, Santa Inês, Ilhéus e o Vilarejo de Três Braços, uma infância tão livre. Saudade. A poesia faz isso com a gente, provoca esses sentimentos. Que esse livros provoquem nossos pequenos leitores. Ah, a editora de O jardim é Companhia das Letrinhas, a média de preço 43,90. Indicação: a partir dos 06 anos.


Ainda sobre o Sarau, esse levou o nome de Lua Azul, já que foi feito exatamente no dia que surge a segunda lua cheia no mês de Julho, a casa recebeu essas cores, velas e aromas encheu o lugar e as crianças foram deixadas à vontade, pois estão no processo de letramento e forçar a exposição poderia provocar sentimentos futuros de não aceitação da poesia. Quero muito realizar um voltado pra os pequenos, espero encontrar colaboradores que me ajudem nesse trabalho, conseguindo, relato como foi.

E de minha autoria:

 ah...vazio faça-se presente...abra espaço...eu quero encontrar a criança...
Aquela criança dançando na chuva torrencial do sertão.
Ah...vazio faça-se presente...pra eu sentir o toque do tecido de algodão da colcha de retalhos da casa de vovó Eulina...o respingo da chuva caindo sobre o telhado, as ripas, o cheiro de terra molhada...
Ah...vazio, venha e deixe-me novamente, sentir o roçar da lama a cobrir meu corpo, após uma travessura de infância, o escorrer do suco do umbu tão grande aos meus olhos, a força do sol contido na fruta.
Ah vazio...faça-se presente, silêncio, silêncio.